Support Wikileaks

Se compreender é impossível, conhecer é necessário.
Primo Levi

“Do rio que tudo arrasta se
diz que é violento
Mas ninguém diz violentas as
margens que o comprimem” B.Brecht

"Politicians should read science fiction, not westerns and detective stories." - Arthur C. Clarke

Time is so old and love so brief
Love is pure gold and time a thief (Billie Holiday)

Ai que preguica! (Macunaima)

No creo en la eternidad de las peleas
Y en las recetas de la felicidad (John Drexler, Mercedes Sosa)

Na aula de hoje: Todo vice é um Kinder Ovo; vem com uma surpresa dentro.



terça-feira, 9 de julho de 2013

Estados Unidos interceptam centenas de milhões de mensagens latino americanas


A independência da América Latina está ameaçada por aspectos geográficos da infra-estrutura daInternet e por subterfúgios criptográficos dos Estados Unidos para monitorar a comunicação digital, como afirma o fundador do WikiLeaks, Julian Assange.
http://actualidad.rt.com/actualidad/view/99587-assange-eeuu-intercepta-mensajes-latinoamericanos

domingo, 7 de julho de 2013

Declaração à imprensa do Ministro Antonio Patriota sobre denúncia de espionagem contra cidadãos brasileiros


Nota nº 237
Declaração à imprensa do Ministro Antonio Patriota sobre denúncia de espionagem contra cidadãos brasileiros
Declaração à imprensa do Ministro Antonio de Aguiar Patriota sobre denúncia de espionagem por agências de inteligência norte-americanas.



07/07/2013 -

Transmite teor da declaração à imprensa do Ministro das Relações Exteriores Antonio de Aguiar Patriota, feita hoje, 7 de julho de 2013, sobre a denúncia de que cidadãos brasileiros foram objeto de espionagem por parte de agências de inteligência norte-americanas.

"O Governo brasileiro recebeu com grave preocupação a notícia de que as comunicações eletrônicas e telefônicas de cidadãos brasileiros estariam sendo objeto de espionagem por órgãos de inteligência norte-americanos.

O Governo brasileiro solicitou esclarecimentos ao governo norte-americano por intermédio da Embaixada do Brasil em Washington, assim como ao Embaixador dos Estados Unidos no Brasil.

O governo brasileiro promoverá no âmbito da União Internacional de Telecomunicações (UIT) em Genebra, o aperfeiçoamento de regras multilaterais sobre segurança das telecomunicações. Além disso, o Brasil lançará nas Nações Unidas iniciativas com o objetivo de proibir abusos e impedir a invasão da privacidade dos usuários das redes virtuais de comunicação, estabelecendo normas claras de comportamento dos Estados na área de informação e telecomunicações para garantir segurança cibernética que proteja os direitos dos cidadãos e preserve a soberania de todos os países."

fonte: Itamaraty

Rafael Correa no Al Jazeera


Meia hora com Evo Morales - video do Democracy now!




http://www.democracynow.org/2010/12/10/bolivian_president_evo_morales_on_wikileaks

Amy Goodman transmitindo de Cancun, Conferência das Mudanças Climáticas.

Depois de se identificar - ela faz parte da organzação Democracia Agora, faz perguntas a Evo Morales sobre: o vazamento por parte do Wikileaks de que um funcionário de alto escalão da Casa Branca sugeriu a neutralização, cooptação ou marginalização de países como Bolivia e Ecuador.

Morales reconhece a espionagem por parte dos Estados Unidos, antes e depois de Obama. Diz que os cablegates do Wikileaks confirmam o que a Bolivia já denunciara antes: a diplomacia do Império. Seu método é o de gerar desconfiança entre os países latino americanos. Ele acredita que não conseguirão tal intento.

Morales fala da divulgação da falsa notícia de que ele, Morales, tinha um tumor no nariz com a intenção de desestabilizar.

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/838494-ministro-brasileiro-disse-a-eua-que-evo-morales-tinha-tumor-no-nariz-bolivia-nega.shtml

Diz também que não se arrepende da expulsão do embaixador dos estados unidos (2008), lembrando que depois disso não teve mais golpes de estado na Bolivia.

http://pt.wikinews.org/wiki/Embaixador_venezuelano_em_Washington_j%C3%A1_foi_informado_de_sua_expuls%C3%A3o

Respondendo sobre a crítica feita por Vargas LLosa sobre seu governo, Morales responde que os povos indígenas sempre foram vítimas de algumas pessoas educadas, alguns escritores ou romancistas.

Precisamos ser pacientes, resilientes à discriminação. como alguém que me trata como um palhaço pode receber um Prêmio de Nobel? O mundo deve admirar-se sobre o tipo de gente que está recebendo prêmios Nobel. Deixamos isto para o debate e a análise dos povos do mundo.

http://elcomercio.pe/mundo/341934/noticia-mario-vargas-llosa-evo-morales-no-presidente-democratico

Evo Morales a RT sobre el bloqueo de su avión: "Mi pecado es ser indígena y antimperialista"

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Declaração de Cochabamba

Resumo da reunião em Cochabamba assistida ao vivo pela TV Boliviana.

DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

Denúncia à comunidade internacional a flagrante violação dos tratados internacionais.Pedem à França, Italia Portugal e Espanha que - além de pedirem desculpas publicamente sejam transparentes na explicação sobre o que motivou a decisão política de não permitir o pouso da nave presidencial boliviana.

Foi formada uma comissão encarregada de realizar, através de seus chanceleres, as ações necessárias para esclarecimento dos fatos.

Estendendo a ofensa aos povos e nações da América Latina, pedem inclusive, na data de 4 de julho de 2013, que as Nações Unidas e organismos regionais se pronunciem sobre este fato injustificável.

MUJICA:
Parece que tem potências que querem aplicar um espírito de terrorismo político sobre o direito de asilo uma instituição que defendemos, todos os lutadores da história da humanidade. Em nome dos que foram perseguidos e dos que seguirão sendo perseguidos, o direito de asilo nos parece um principio sagrado.

Meteran la pata se equivocaram...já não somos colonias, somos o que somos merecemos respeito e quando um país, um governante é agredido nos sentimos agredidos todos em América Latina.

Então pedimos, em nome da civilização : altura, decência.

Comentando que somos passíveis de erro e quívocos, pede aos agentes dessa situação internacional injustificada e imprudente, que ponham a cara pra bater e assumam a responsabilidade das decisões que tomaram.
"ay que poner la cara e assumir a responsabilidade".

domingo, 30 de junho de 2013

Sabots: As duas faces do mesmo calçado - As manifestações de junho de 2013 na cidade de São Paulo


Marilena Chauí - As manifestações de junho de 2013 na cidade de São Paulo

O que segue não são reflexões sobre todas as manifestações ocorridas no país, mas focalizam principalmente as ocorridas na cidade de São Paulo, embora algumas palavras de ordem e algumas atitudes tenham sido comuns às manifestações de outras cidades (a forma da convocação, a questão da tarifa do transporte coletivo como ponto de partida, a desconfiança com relação à institucionalidade política como ponto de chegada), bem como o tratamento dado a elas pelos meios de comunicação (condenação inicial e celebração final, com criminalização dos “vândalos”), permitam algumas considerações mais gerais a título de conclusão.

O estopim das manifestações paulistanas foi o aumento da tarifa do transporte público e a ação contestatória da esquerda com o Movimento Passe Livre (MPL), cuja existência data de 2005 e é composto por militantes de partidos de esquerda. 

Em sua reivindicação específica, o movimento foi vitorioso sob dois aspectos. Conseguiu a redução da tarifa e definiu a questão do transporte público no plano dos direitos dos cidadãos, e portanto afirmou o núcleo da prática democrática, qual seja, a criação e defesa de direitos por intermédio da explicitação (e não do ocultamento) dos conflitos sociais e políticos.

O inferno urbano

Não foram poucos os que, pelos meios de comunicação, exprimiram sua perplexidade diante das manifestações de junho de 2013: de onde vieram e por que vieram se os grandes problemas que sempre atormentaram o país (desemprego, inflação, violência urbana e no campo) estão com soluções bem encaminhadas e reina a estabilidade política? 

As perguntas são justas, mas a perplexidade, não, desde que voltemos nosso olhar para um ponto que foi sempre o foco dos movimentos populares: a situação da vida urbana nas grandes metrópoles brasileiras.

Quais os traços mais marcantes da cidade de São Paulo nos últimos anos e, sob certos aspectos, extensíveis às demais cidades? 

Resumidamente, podemos dizer que são os seguintes:


  • explosão do uso do automóvel individual. A mobilidade urbana se tornou quase impossível, ao mesmo tempo em que a cidade se estrutura com um sistema viário destinado aos carros individuais em detrimento do transporte coletivo, mas nem mesmo esse sistema é capaz de resolver o problema;


  • explosão imobiliária com os grandes condomínios (verticais e horizontais) e shopping centers, que produzem uma densidade demográfica praticamente incontrolável, além de não contar com redes de água, eletricidade e esgoto, os problemas sendo evidentes, por exemplo, na ocasião de chuvas;


  • aumento da exclusão social e da desigualdade com a expulsão dos moradores das regiões favorecidas pelas grandes especulações imobiliárias e a consequente expansão das periferias carentes e de sua crescente distância com relação aos locais de trabalho, educação e serviços de saúde. (No caso de São Paulo, como aponta Erminia Maricato, deu-se a ocupação das regiões de mananciais, pondo em risco a saúde de toda a população; em resumo: degradação da vida cotidiana das camadas mais pobres da cidade);


  • o transporte coletivo indecente, indigno e mortífero. No caso de São Paulo, sabe-se que o programa do metrô previa a entrega de 450 quilômetros de vias até 1990; de fato, até 2013, o governo estadual apresenta 90 quilômetros. Além disso, a frota de trens metroviários não foi ampliada, está envelhecida e mal conservada; à insuficiência quantitativa para atender à demanda, somam-se atrasos constantes por quebra de trens e dos instrumentos de controle das operações. 

O mesmo pode ser dito dos trens da CPTM, também de responsabilidade do governo estadual. No caso do transporte por ônibus, sob responsabilidade municipal, um cartel domina completamente o setor sem prestar contas a ninguém:


  • os ônibus são feitos com carrocerias destinadas a caminhões, portanto feitos para transportar coisas, e não pessoas; 


  • as frotas estão envelhecidas e quantitativamente defasadas com relação às necessidades da população, sobretudo as das periferias da cidade;


  • as linhas são extremamente longas porque isso as torna mais lucrativas, de maneira que os passageiros são obrigados a trajetos absurdos, gastando horas para ir ao trabalho, às escolas, aos serviços de saúde e voltar para casa; 


  • não há linhas conectando pontos do centro da cidade nem linhas interbairros, de modo que o uso do automóvel individual se torna quase inevitável para trajetos menores.

Em resumo: definidas e orientadas pelos imperativos dos interesses privados, as montadoras de veículos, empreiteiras da construção civil e empresas de transporte coletivo dominam a cidade sem assumir nenhuma responsabilidade pública, impondo o que chamo de inferno urbano.

A tradição paulistana de lutas

Recordando: a cidade de São Paulo (como várias das grandes cidades brasileiras) tem uma tradição histórica de revoltas populares contra as péssimas condições do transporte coletivo, isto é, a tradição do quebra-quebra quando, desesperados e enfurecidos, os cidadãos quebram e incendeiam ônibus e trens (à maneira do que faziam os operários no início da Segunda Revolução Industrial, quando usavam os tamancos de madeira – em francês, os sabots, donde a palavra francesa sabotage, sabotagem – para quebrar as máquinas). 

Entretanto, não foi esse o caminho tomado pelas manifestações atuais e valeria a pena indagar por quê. Talvez porque, vindo da esquerda, o MPL politiza explicitamente a contestação, em vez de politizá-la simbolicamente, como faz o quebra-quebra.

Recordando: nas décadas de 1970 a 1990, as organizações de classe (sindicatos, associações, entidades) e os movimentos sociais e populares tiveram um papel político decisivo na implantação da democracia no Brasil pelos seguintes motivos:  


  • introdução da ideia de direitos sociais, econômicos e culturais para além dos direitos civis liberais; 


  • afirmação da capacidade auto-organizativa da sociedade; 


  • introdução da prática da democracia participativa como condição da democracia representativa a ser efetivada pelos partidos políticos. 

Numa palavra: 

sindicatos, associações, entidades, movimentos sociais e movimentos populares eram políticos, valorizavam a política, propunham mudanças políticas e rumaram para a criação de partidos políticos como mediadores 
institucionais de suas demandas.

Isso quase desapareceu da cena histórica como efeito do neoliberalismo, que produziu: 


  • fragmentação, terceirização e precarização do trabalho (tanto industrial como de serviços), dispersando a classe trabalhadora, que se vê diante do risco da perda de seus referenciais de identidade e de luta;


  • refluxo dos movimentos sociais e populares e sua substituição pelas ONGs, cuja lógica é distinta daquela que rege os movimentos sociais;


  • surgimento de uma nova classe trabalhadora heterogênea, fragmentada, ainda desorganizada que, por isso, ainda não tem suas próprias formas de luta e não se apresenta no espaço público e, por isso mesmo, é atraída e devorada por ideologias individualistas como a “teologia da prosperidade” (do pentecostalismo) e a ideologia do “empreendedorismo” (da classe média), que estimulam a competição, o isolamento e o conflito interpessoal, quebrando formas anteriores de sociabilidade solidária e de luta coletiva.

Erguendo-se contra os efeitos do inferno urbano, as manifestações guardaram da tradição dos movimentos sociais e populares a organização horizontal, sem distinção hierárquica entre dirigentes e dirigidos. 

Mas, diversamente dos movimentos sociais e populares, tiveram uma forma de convocação que as transformou num movimento de massa, com milhares de manifestantes nas ruas.

O pensamento mágico

A convocação foi feita por meio das redes sociais. Apesar da celebração desse tipo de convocação, que derruba o monopólio dos meios de comunicação de massa, é preciso mencionar alguns problemas postos pelo uso dessas redes, que possui algumas características que o aproximam dos procedimentos da mídia:


  • é indiferenciado: poderia ser para um show da Madonna, para uma maratona esportiva etc., e calhou ser por causa da tarifa do transporte público;


  • tem a forma de um evento, ou seja, é pontual, sem passado, sem futuro e sem saldo organizativo porque, embora tenha partido de um movimento social (o MPL), à medida que cresceu passou à recusa gradativa da estrutura de um movimento social para se tornar um espetáculo de massa. (Dois exemplos confirmam isso: a ocupação de Wall Street pelos jovens de Nova York, que, antes de se dissolver, tornou-se um ponto de atração turística para os que visitavam a cidade; e o caso do Egito, mais triste, pois, com o fato de as manifestações permanecerem como eventos e não se tornarem uma forma de auto-organização política da sociedade, deram ocasião para que os poderes existentes passassem de uma ditadura para outra);


  • assume gradativamente uma dimensão mágica, cuja origem se encontra na natureza do próprio instrumento tecnológico empregado, pois este opera magicamente, uma vez que os usuários são, exatamente, usuários, e portanto não possuem o controle técnico e econômico do instrumento que usam – ou seja, desse ponto de vista, encontram-se na mesma situação que os receptores dos meios de comunicação de massa.

A dimensão é mágica porque, assim como basta apertar um botão para tudo aparecer, assim também se acredita que basta querer para fazer acontecer. Ora, além da ausência de controle real sobre o instrumento, a magia repõe um dos recursos mais profundos da sociedade de consumo difundida pelos meios de comunicação, qual seja, a ideia de satisfação imediata do desejo, sem qualquer mediação;a recusa das mediações institucionais indica que estamos diante de uma ação própria da sociedade de massa, portanto indiferente à determinação de classe social; ou seja, no caso presente, ao se apresentar como uma ação da juventude, o movimento assume a aparência de que o universo dos manifestantes é homogêneo ou de massa, ainda que, efetivamente, seja heterogêneo do ponto de vista econômico, social e político, bastando lembrar que as manifestações das periferias não foram apenas de “juventude” nem de classe média, mas de jovens, adultos, crianças e idosos da classe trabalhadora.

No ponto de chegada, as manifestações introduziram o tema da corrupção política e a recusa dos partidos políticos. 

Sabemos que o MPL é constituído por militantes de vários partidos de esquerda e, para assegurar a unidade do movimento, evitou a referência aos partidos de origem. 

Por isso foi às ruas sem definir-se como expressão de partidos políticos, e em São Paulo, quando, na comemoração da vitória, os militantes partidários compareceram às ruas foram execrados, espancados e expulsos como oportunistas – sofreram repressão violenta por parte da massa.

A crítica às instituições políticas não é infundada, possui base concreta:


  • no plano conjuntural: o inferno urbano é, efetivamente, responsabilidade dos partidos políticos governantes;


  • no plano estrutural: no Brasil, sociedade autoritária e excludente, os partidos políticos tendem a ser clubes privados de oligarquias locais, que usam o público para seus interesses privados; a qualidade dos Legislativos nos três níveis é a mais baixa possível e a corrupção é estrutural; como consequência, a relação de representação não se concretiza porque vigoram relações de favor, clientela, tutela e cooptação;


  • a crítica ao PT: de ter abandonado a relação com aquilo que determinou seu nascimento e crescimento, isto é, o campo das lutas sociais auto-organizadas, e ter-se transformado numa máquina burocrática e eleitoral (como têm dito e escrito muitos militantes ao longo dos últimos vinte anos). Isso, porém, embora explique a recusa, não significa que esta tenha sido motivada pela clara compreensão do problema por parte dos manifestantes. 

De fato, a maioria deles não exprime em suas falas uma análise das causas desse modo de funcionamento dos partidos políticos, qual seja, a estrutura autoritária da sociedade brasileira, de um lado, e, de outro, o sistema político-partidário montado pelos casuísmos da ditadura. 

Em lugar de lutar por uma reforma política, boa parte dos manifestantes recusa a legitimidade do partido político como instituição republicana e democrática. 

Assim, sob esse aspecto, apesar do uso das redes sociais e da crítica aos meios de comunicação, a maioria dos manifestantes aderiu à mensagem ideológica difundida anos a fio pelos meios de comunicação de que os partidos são corruptos por essência. 

Como se sabe, essa posição dos meios de comunicação tem a finalidade de lhes conferir o monopólio das funções do espaço público, como se não fossem empresas capitalistas movidas por interesses privados. 

Dessa maneira, a recusa dos meios de comunicação e as críticas a eles endereçadas pelos manifestantes não impediram que grande parte deles aderisse à perspectiva da classe média conservadora difundida pela mídia a respeito da ética.

De fato, a maioria dos manifestantes, reproduzindo a linguagem midiática, falou de ética na política (ou seja, a transposição dos valores do espaço privado para o espaço público), quando, na verdade, se trataria de afirmar a ética da política (isto é, valores propriamente públicos), ética que não depende das virtudes morais das pessoas privadas dos políticos, e sim da qualidade das instituições públicas enquanto instituições republicanas.

A ética da política, no nosso caso, depende de uma profunda reforma política que crie instituições democráticas republicanas e destrua de uma vez por todas a estrutura deixada pela ditadura, que força os partidos políticos a fazer coalizões absurdas se quiserem governar, coalizões que comprometem o sentido e a finalidade de seus programas e abrem as comportas para a corrupção.

Em lugar da ideologia conservadora e midiática de que, por definição e por essência, a política é corrupta, trata-se de promover uma prática inovadora capaz de criar instituições públicas que impeçam a corrupção, garantam a participação, a representação e o controle dos interesses públicos e dos direitos pelos cidadãos. Numa palavra, uma invenção democrática.

Ora, ao entrar em cena o pensamento mágico, os manifestantes deixam de lado o fato de que, até que uma nova forma da política seja criada num futuro distante, quando, talvez, a política se realizará sem partidos, por enquanto, numa república democrática (ao contrário de numa ditadura), ninguém governa sem um partido, pois é este que cria e prepara quadros para as funções governamentais para a concretização dos objetivos e das metas dos governantes eleitos.

Bastaria que os manifestantes se informassem sobre o governo Collor para entender isso: Collor partiu das mesmas afirmações feitas por uma parte dos manifestantes (partido político é coisa de "marajá" e é corrupto) e se apresentou como um homem sem partido. Resultado: não teve quadros para montar o governo nem diretrizes e metas coerentes e deu feição autocrática ao governo, isto é, "o governo sou eu".

Deu no que deu.

Além disso, parte dos manifestantes está adotando a posição ideológica típica da classe média, que aspira por governos sem mediações institucionais, e, portanto, ditatoriais. Eis porque surge a afirmação de muitos manifestantes, enrolados na bandeira nacional, de que "meu partido é meu país", ignorando, talvez, que essa foi uma das afirmações fundamentais do nazismo contra os partidos políticos.

Assim, em lugar de inventar uma nova política, de ir rumo a uma invenção democrática, o pensamento mágico de grande parte dos manifestantes se ergueu contra a política, reduzida à figura da corrupção. Historicamente, sabemos onde isso foi dar.

E por isso não nos devem surpreender, ainda que devam nos alarmar, as imagens de jovens militantes de partidos e movimentos sociais de esquerda espancados e ensanguentados durante a manifestação de 
comemoração da vitória do MPL.

Já vimos essas imagens na Itália dos anos 1920, na Alemanha dos anos 1930 e no Brasil dos anos 1960-1970.

Conclusão provisória

Do ponto de vista simbólico, as manifestações possuem um sentido importante que contrabalança os problemas aqui mencionados.

Não se trata, como se ouviu dizer nos meios de comunicação, que finalmente os jovens abandonaram a "bolha" do condomínio e do shopping center e decidiram ocupar as ruas (já podemos prever o número de novelas e minisséries que usarão essa ideia para incrementar o programa High School Brasil, da Rede Globo).

Simbolicamente, malgrado eles próprios e malgrado suas afirmações explícitas contra a política, os manifestantes realizaram um evento político: disseram não ao que aí está, contestando as ações dos Poderes Executivos municipais, estaduais e federal, assim como as do Poder Legislativo nos três níveis. Praticando a tradição do humor corrosivo que percorre as ruas, modificaram o sentido corriqueiro das palavras e do discurso conservador por meio da inversão das significações e da irreverência, indicando uma nova possibilidade de práxis política, uma brecha para repensar o poder, como escreveu um filósofo político sobre os acontecimentos de maio de 1968 na Europa.

Justamente porque uma nova possibilidade política está aberta, algumas observações merecem ser feitas para que fiquemos alertas aos riscos de apropriação e destruição dessa possibilidade pela direita conservadora e reacionária.

Comecemos por uma obviedade: como as manifestações são de massa (de juventude, como propala a mídia) e não aparecem em sua determinação de classe social, que, entretanto, é clara na composição social das manifestações das periferias paulistanas, é preciso lembrar que uma parte dos manifestantes não vive nas periferias das cidades, não experimenta a violência do cotidiano experimentada pela outra parte dos manifestantes. 

Com isso, podemos fazer algumas indagações. 

Por exemplo: 


  • os jovens manifestantes de classe média que vivem nos condomínios têm ideia de que suas famílias também são responsáveis pelo inferno urbano (o aumento da densidade demográfica dos bairros e a expulsão dos moradores populares para as periferias distantes e carentes)? 


  • os jovens manifestantes de classe média que, no dia em que fizeram 18 anos, ganharam de presente um automóvel (ou estão na expectativa do presente quando completarem essa idade) têm ideia de que também são responsáveis pelo inferno urbano? 


  • não é paradoxal, então, que se ponham a lutar contra aquilo que é resultado de sua própria ação (isto é, de suas famílias), mas atribuindo tudo isso à política corrupta, como é típico da classe média?

Essas indagações não são gratuitas nem expressão de má vontade a respeito das manifestações de 2013. Elas têm um motivo político e um lastro histórico.

Motivo político: assinalamos anteriormente o risco de apropriação das manifestações rumo ao conservadorismo e ao autoritarismo. Só será possível evitar esse risco se os jovens manifestantes levarem em conta algumas perguntas:


  • estão dispostos a lutar contra as ações que causam o inferno urbano, e portanto enfrentar pra valer o poder do capital de montadoras, empreiteiras e cartéis de transporte, que, como todos sabem, não se relacionam pacificamente (para dizer o mínimo) com demandas sociais?



  • estão dispostos a abandonar a suposição de que a política se faz magicamente sem mediações institucionais?



  • estão dispostos a se engajar na luta pela reforma política, a fim de inventar uma nova política, libertária, democrática, republicana, participativa?estão dispostos a não reduzir sua participação a um evento pontual e efêmero e a não se deixar seduzir pela imagem que deles querem produzir os meios de comunicação?


Lastro histórico:

quando Luiza Erundina, partindo das demandas dos movimentos populares e dos compromissos com a justiça social, propôs a Tarifa Zero para o transporte público de São Paulo, ela explicou à sociedade que a tarifa precisava ser subsidiada pela prefeitura e que não faria o subsídio implicar cortes nos orçamentos de educação, saúde, moradia e assistência social, isto é, dos programas sociais prioritários de seu governo.

Antes de propor a Tarifa Zero, ela aumentou em 500% a frota da CMTC (explicação para os jovens: CMTC era a antiga empresa municipal de transporte) e forçou os empresários privados a renovar sua frota.

Depois disso, em inúmeras audiências públicas, apresentou todos os dados e planilhas da CMTC e obrigou os empresários das companhias privadas de transporte coletivo a fazer o mesmo, de maneira que a sociedade ficou plenamente informada quanto aos recursos que seriam necessários para o subsídio. Ela propôs, então, que o subsídio viesse de uma mudança tributária: o IPTU progressivo, isto é, o imposto predial e territorial seria aumentado para os imóveis dos mais ricos, que contribuiriam para o subsídio junto com outros recursos da prefeitura.

Na medida que os mais ricos, como pessoas privadas, têm serviçais domésticos que usam o transporte público e, como empresários, têm funcionários usuários desse mesmo transporte, uma forma de realizar a transferência de renda, que é base da justiça social, seria exatamente fazer com que uma parte do subsídio viesse do novo IPTU.

Os jovens manifestantes de hoje desconhecem o que se passou: comerciantes fecharam ruas inteiras, empresários ameaçaram lockout das empresas, nos "bairros nobres" foram feitas manifestações contra o "totalitarismo comunista" da prefeita e os poderosos da cidade "negociaram" com os vereadores a não aprovação do projeto de lei.

A Tarifa Zero não foi implantada.

Discutida na forma de democracia participativa, apresentada com lisura e ética política, sem qualquer mancha possível de corrupção, a proposta foi rejeitada.

Esse lastro histórico mostra o limite do pensamento mágico, pois não basta ausência de corrupção, como imaginam os manifestantes, para que tudo aconteça imediatamente da melhor maneira e como se deseja.

Cabe uma última observação: se não levarem em consideração a divisão social das classes, isto é, os conflitos de interesses e de poderes econômico-sociais na sociedade, os manifestantes não compreenderão o campo econômico-político no qual estão se movendo quando imaginam estar agindo fora da política e contra ela.

Entre os vários riscos dessa imaginação, convém lembrar aos manifestantes que se situam à esquerda que, se não tiverem autonomia política e se não a defenderem com muita garra, poderão, no Brasil, colocar água no moinho dos mesmos poderes econômicos e políticos que organizaram grandes manifestações de direita na Venezuela, na Bolívia, no Chile, no Peru, no Uruguai e na Argentina.

E a mídia, penhorada, agradecerá pelos altos índices de audiência.



Marilena Chaui é filósofa, professora na FFLCH da Universidade de São Paulo

Fonte: Fundação Perseu Abramo

sábado, 29 de junho de 2013

Mil charangos tocando VIVA MI PATRIA BOLIVIA



Estou envergonhada pelo assassinato do pequeno Brayan.

É meu pedido de desculpas a todos os povos que vêm para meu país em busca de uma via melhor.

Rafael Correa - Ecuador



Ninguém pode estar acima da Lei, por mais poderoso que pense ser

fonte: http://actualidad.rt.com/actualidad/view/98648-correa-ecuador-snowden-espionaje

OBS: Tirei o código embed do vídeo pois ele reproduzia automaticamente. 

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Cristovam Buarque cobra do governo o envio ao Congresso da reforma política

http://www.senado.gov.br/noticias/tv/videos/cod_midia_258308.flv

NÃO ACHEI O CÓDIGO EMBED NO SITE DA TV SENADO.

O Senador em entrevista dada a Heródoto Barbeiro, R7


Movimento Passe Livre Roda Viva 17/06/2013 Bloco 1

      http://www.senado.gov.br/noticias/tv/videos/cod_midia_259688.flv  Aos 06:12 minutos o Senador Cristovam Buarque pergunta
  •  1) Como eleger os políticos brasileiros que vão nos representar 
  •  2) Como serão fiscalizados 
  •  3) Como agirão 
  •  4) Como serão punidos se necessário

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Rubygate: sete anos de prisão para Berlusconi | euronews, mundo

Rubygate: sete anos de prisão para Berlusconi | euronews, mundo

Ver o mundo através das lentes do Wikiglasses



arte: basicregisters

Carta aberta do Movimento Passe Livre São Paulo


À Presidenta Dilma Rousseff,



Ficamos surpresos com o convite para esta reunião. Imaginamos que também esteja surpresa com o que vem acontecendo no país nas últimas semanas. Esse gesto de diálogo que parte do governo federal destoa do tratamento aos movimentos sociais que tem marcado a política desta gestão. Parece que as revoltas que se espalham pelas cidades do Brasil desde o dia seis de junho tem quebrado velhas catracas e aberto novos caminhos.

O Movimento Passe Livre, desde o começo, foi parte desse processo. Somos um movimento social autônomo, horizontal e apartidário, que jamais pretendeu representar o conjunto de manifestantes que tomou as ruas do país. Nossa palavra é mais uma dentre aquelas gritadas nas ruas, erguidas em cartazes, pixadas nos muros. Em São Paulo, convocamos as manifestações com uma reivindicação clara e concreta: revogar o aumento. Se antes isso parecia impossível, provamos que não era e avançamos na luta por aquela que é e sempre foi a nossa bandeira, um transporte verdadeiramente público. É nesse sentido que viemos até Brasília.

O transporte só pode ser público de verdade se for acessível a todas e todos, ou seja, entendido como um direito universal. A injustiça da tarifa fica mais evidente a cada aumento, a cada vez que mais gente deixa de ter dinheiro para pagar a passagem. Questionar os aumentos é questionar a própria lógica da política tarifária, que submete o transporte ao lucro dos empresários, e não às necessidades da população. Pagar pela circulação na cidade significa tratar a mobilidade não como direito, mas como mercadoria. Isso coloca todos os outros direitos em xeque: ir até a escola, até o hospital, até o parque passa a ter um preço que nem todos podem pagar. O transporte fica limitado ao ir e vir do trabalho, fechando as portas da cidade para seus moradores. É para abri-las que defendemos a tarifa zero.

Nesse sentido gostaríamos de conhecer o posicionamento da presidenta sobre a tarifa zero no transporte público e sobre a PEC 90/11, que inclui o transporte no rol dos direitos sociais do artigo 6o da Constituição Federal. É por entender que o transporte deveria ser tratado como um direito social, amplo e irrestrito, que acreditamos ser necessário ir além de qualquer política limitada a um determinado segmento da sociedade, como os estudantes, no caso do passe livre estudantil. Defendemos o passe livre para todas e todos!

Embora priorizar o transporte coletivo esteja no discurso de todos os governos, na prática o Brasil investe onze vezes mais no transporte individual, por meio de obras viárias e políticas de crédito para o consumo de carros (IPEA, 2011). O dinheiro público deve ser investido em transporte público! Gostaríamos de saber por que a presidenta vetou o inciso V do 16º artigo da Política Nacional de Mobilidade Urbana (lei nº 12.587/12) que responsabilizava a União por dar apoio financeiro aos municípios que adotassem políticas de priorização do transporte público. Como deixa claro seu artigo 9º, esta lei prioriza um modelo de gestão privada baseado na tarifa, adotando o ponto de vista das empresas e não o dos usuários. O governo federal precisa tomar a frente no processo de construção de um transporte público de verdade. A municipalização da CIDE, e sua destinação integral e exclusiva ao transporte público, representaria um passo nesse caminho em direção à tarifa zero.

A desoneração de impostos, medida historicamente defendida pelas empresas de transporte, vai no sentido oposto. Abrir mão de tributos significa perder o poder sobre o dinheiro público, liberando verbas às cegas para as máfias dos transportes, sem qualquer transparência e controle. Para atender as demandas populares pelo transporte, é necessário construir instrumentos que coloquem no centro da decisão quem realmente deve ter suas necessidades atendidas: os usuários e trabalhadores do sistema.

Essa reunião com a presidenta foi arrancada pela força das ruas, que avançou sobre bombas, balas e prisões. Os movimentos sociais no Brasil sempre sofreram com a repressão e a criminalização. Até agora, 2013 não foi diferente: no Mato Grosso do Sul, vem ocorrendo um massacre de indígenas e a Força Nacional assassinou, no mês passado, uma liderança Terena durante uma reintegração de posse; no Distrito Federal, cinco militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) foram presos há poucas semanas em meio às mobilizações contra os impactos da Copa do Mundo da FIFA. A resposta da polícia aos protestos iniciados em junho não destoa do conjunto: bombas de gás foram jogadas dentro de hospitais e faculdades; manifestantes foram perseguidos e espancados pela Polícia Militar; outros foram baleados; centenas de pessoas foram presas arbitrariamente; algumas estão sendo acusadas de formação de quadrilha e incitação ao cri me; um homem perdeu a visão; uma garota foi violentada sexualmente por policiais; uma mulher morreu asfixiada pelo gás lacrimogêneo. A verdadeira violência que assistimos neste junho veio do Estado – em todas as suas esferas.

A desmilitarização da polícia, defendida até pela ONU, e uma política nacional de regulamentação do armamento menos letal, proibido em diversos países e condenado por organismos internacionais, são urgentes. Ao oferecer a Força Nacional de Segurança para conter as manifestações, o Ministro da Justiça mostrou que o governo federal insiste em tratar os movimentos sociais como assunto de polícia. As notícias sobre o monitoramento de militantes feito pela Polícia Federal e pela ABIN vão na mesma direção: criminalização da luta popular.

Esperamos que essa reunião marque uma mudança de postura do governo federal que se estenda às outras lutas sociais: aos povos indígenas, que, a exemplo dos Kaiowá-Guarani e dos Munduruku, tem sofrido diversos ataques por parte de latifundiários e do poder público; às comunidades atingidas por remoções; aos sem-teto; aos sem-terra e às mães que tiveram os filhos assassinados pela polícia nas periferias. Que a mesma postura se estenda também a todas as cidades que lutam contra o aumento de tarifas e por outro modelo de transporte: São José dos Campos, Florianópolis, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, Goiânia, entre muitas outras.

Mais do que sentar à mesa e conversar, o que importa é atender às demandas claras que já estão colocadas pelos movimentos sociais de todo o país. Contra todos os aumentos do transporte público, contra a tarifa, continuaremos nas ruas! Tarifa zero já!

Toda força aos que lutam por uma vida sem catracas!

Movimento Passe Livre São Paulo

24 de junho de 2013

sábado, 22 de junho de 2013

BLOCO NA RUA


FILME 100 MIL RJ from TRÊS FILMES on Vimeo.


Bloco na Rua - Sergio Sampaio, Anderson Rolim

ERDOGAN KAPA ÇENENI.....

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Miguel Nicolelis Aula da Inquietação UnB 2009


Pensando nas manifestações, lembrei-me desses vídeos sobre a aula inaugural da turma de 2009, aberta por Miguel Nicolelis.

Tenho sentido, nas declarações oficiais, uma tentativa subliminar de diluir as manifestações dizendo que elas são dos jovens. Subliminarmente Jovem, Juventude, implica na opinião pública como "algo passageiro, "é da idade", "eu também fui assim"...

Não é nada disso...

Na sua fala Nicolelis esclarece, localiza, na história, o que significa entrar numa universidade (principalmente as públicas).

(Penso que os formandos em universidade pública deveriam dedicar-se à comunidade pelo tempo necessário para zerar sua dívida com a comunidade. Depois ele faz o que quiser de sua vida profissional. )

Numa postagem de 4 de junho de 2011, posto a foto de uma senhorinha de 90 anos, no palaque de uma praça numa cidade italiana, dizendo que não morreria sob o governo de Berlusconi. Eu reclamava da não participação da 3° idade nas nossas manifestações.

http://basicregisters.blogspot.com.br/2011/06/ser-e-ter-dignidade-na-terceira-idade.html

Nesses dias senhores e senhoras, bebês em carrinhos empurrados pelos pais, ou sobre o ombro de um deles, todos nas ruas.



04:08 - Quando a gente entra numa universidade como esta...criada com o sacrifício de brasileiros que a gente nunca encontrou...a gente esquece qual foi o sonho deles...o sonho deles foi o que deveria ser o sonho de todos nós...realizar o impossível

04:52 - Vocês não entraram numa universidade...não entraram num lugar onde vocês vão ouvir e vomitar de volta o que vocês ouviram para receber uma nota, um certificado...é um pouquinho diferente...toda a geração de vocês espalhada por todo Brasil em todas as universidades do Brasil PRINCIPALMENTE AS PÚBLICAS (grifo meu) - representam ...os desejos de realização de milhões de pessoas...de todos aqueles brasileiros que jamais vão poder vir para cá.

05:54 - Todos aqueles brasileiros que diariamente têm a coragem de levantar da cama para ir trabalhar em empregos que muitos de nós jamais teríamos o prazer e a coragem de enfrentar dia a dia PARA QUE VOCÊS POSSAM ESTAR AQUI



04:52 - ...Isso só acontece no Brasil...
04:57 - O 1° Mundo faliu em todos os sentidos, faliu financeiramente, moralmente, eticamente, e agora vem a boa notícia: O 1° mundo é aqui.
.










sexta-feira, 21 de junho de 2013

#ChangeBrazil



Tem legenda em português, é só ativar no youtube

Football battles public services for Brazilian hearts | euronews, world news

LIBRAS -

Onde estão os tradutores da linguagem de sinais para deficientes auditivos nas midias de TV?

Onde estão os concursados para traduzir a TODOS os cidadãos os acontecimentos referente ao movimento MPL e seus desdobramentos?

where are the translators of sign language for the deaf in medias TV?

Shame

quarta-feira, 8 de maio de 2013

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Lula Gigante - Giant Squid

Em dezembro de 1962, Sir Arthur Clarke escreveu um conto chamado Os Luminosos.
Klaus Chapiro, engenheiro do mar, estava desenvolvendo para a União Soviética um projeto de uma usina de energia gerada pela diferença de temperatura da água do mar. Esse "mar" era o Oceano Índico.
 A parte que cabia à empresa de Chapiro era fixar umas grades térmicas a 900 metros de profundidade. Isto feito, recebe uma chamada de um representante do governo soviético, pedindo que fosse urgentemente de Zurique, onde estava, até a usina hidrotérmica. Elas não estavam funcionando como deveriam. Como o bom funcionamento dessas grades eram essenciais para o andamento do projeto, Chapiro nem pensou duas vezes: partiu para o Ceilão, onde ficava a base das operações.
Uma câmera batiscafo foi acionada e chegando na área definida, transmite uma imagem onde uma parte das grades estava deformada.
Sabotagem? Nã nã ni nã ni nã não. Era uma Lula Gigante, uma não várias, com as quais ele se defrontou - a 600 metros de profundidade - pessoalmente quando, diante do que viu na tela, decidiu descer num outro batiscafo, pela fossa Trinco.
O que aconteceu?
Leia o livro O Vento Solar, de Arthur C. Clarke.
No final do conto ele pede que as pessoas as tratem bem... Sabemos que a postura do japão é um pouco assim, como direi... digna da ação do Sea Sheperd...
Com certeza foi aquela incompetência para administrar usina nuclear que perturbou as criaturas.

Assista:



se o video não funcionar o link está aqui no DailyMail, UK:

http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2258535/Giant-squid-filmed-Amazing-footage-monster-deep-finally-captured-submersible-crew-descend-ocean-abyss-giant-squid-natural-habitat.html

domingo, 6 de janeiro de 2013

anti-sionismo não é anti-semitismo: petição em apoio a Latuff



Cartunista brasileiro acusado de anti-semitismo.
O Centro Simon Wiesenthal, manipulando politicamente informações, inclui Latuff em sua lista de anti-semitas.

Como a chamada do cartoon esclarece: anti-sionismo não é anti-semitismo.

Essa imprudência do CSW vai fazer com eles angariem antipatia do mundo todo. Vai ser um verdadeiro...

TIRO NO PÉ


primeira ilustração de 2013:  basicregisters.

Assine a petição da AVAAZ.ORG 

Pelo fim da manipulação do antissemitismo para fins políticos



Saiba mais: 

Latuff e o mito do antissemitismo

sexta-feira 4 de janeiro de 2013, por Soraya Misleh


Do Observatório da Imprensa
Por Mário Augusto Jakobskind

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Rita Levi Montalcini - 1909-2012

“O progresso depende de nosso cérebro. A parte mais importante de nosso cérebro, a que é neocortical, deve ser usado para ajudar os outros e não apenas para fazer descobertas.”
Rita Levi Montalcini.



No dia 2 de julho de 2010 o asteróide 9722 foi batizado Levi Montalcini, em sua homenagem.






















fonte: http://www.media.inaf.it/2010/07/03/asteroidi-torino-montalcini/



Companheiros de Universidade:

Salvador Luria -


Nobel fisiologia/medicina 1969
foto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Salvador_E._Luria_ca.1969.jpg


Renato Dulbecco
















Nobel medicina 1975