Support Wikileaks

Se compreender é impossível, conhecer é necessário.
Primo Levi

“Do rio que tudo arrasta se
diz que é violento
Mas ninguém diz violentas as
margens que o comprimem” B.Brecht

"Politicians should read science fiction, not westerns and detective stories." - Arthur C. Clarke

Time is so old and love so brief
Love is pure gold and time a thief (Billie Holiday)

Ai que preguica! (Macunaima)

No creo en la eternidad de las peleas
Y en las recetas de la felicidad (John Drexler, Mercedes Sosa)

Na aula de hoje: Todo vice é um Kinder Ovo; vem com uma surpresa dentro.



sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Dicas do prefeito de Sassello Paolo Badano para o frio

Com a neve derretida na panela se faz uma bela sopa, ou uma pasta (macarrão). A pasta feita com água da neve é deliciosa.

Sorrir, ter atividades espartanas: tirar a neve, cortar a lenha, ajudar ao próximo.

Quanto mais neve e frio, mais bonita será a primavera.

Tomar ponche fervente ao rum ou ao mandarino com patê de lardo

FONTE: site Il Secolo XXI

Na prefeitura a placa: Benvindo a Sassello é sua casa.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Dalai Lama - não tão zen como parece

Artigo com tradução livre sobre livro do escritor Maxime Vivas - edições Milo.

FONTE: Le Grand Soir - info





"O Dalai Lama voltando a Lhasa, seria o velho lobo dos contos clássicos prometendo, em pleno séc XXI um regresso aos anos anteriores a 1959... "

A imagem mais comum do Tibete é o elevado país dos mosteiros onde tudo é serenidade, amor ao próximo, espiritualidade, um quase paraíso guiado por dalaï-lama, líder espiritual elevado, Prémio Nobel da paz, alegoria do mundo da compaixão.

Desde 1959 e seu exílio na Índia, é sobreposta a esta imagem de uma região martirizada por uma potência colonial estrangeira, China, que pune severamente qualquer forma de independência no território. Pode-se aceitar esta versão dos fatos sem consultar a história, o presente e a natureza de um poder temporal, o do dalaï-lama, há 4 séculos parado no tempo?

Em uma viagem em 2010 Maxime Vivas – jornalista - visitar o Tibete. Esperando encontrar um país esvaziado da sua cultura, o autor descobre sinais, que não satisfazem sua expectativa ao lá chegar. Jornais, rádios e televisões tudo em tibetano e uma Universidade livre, painéis fotovoltaicos, mostrando uma conformidade ambiental muito rigorosa, mas também uma brasserie moderna onde os empregados trabalham 7 horas por dia, 5,5 dias por semana, para um salário adequado. Esta descoberta, contrária a tudo o que se divulgou sobre o 14° Dalai Lama mostra suas duas faces: Aquele que veste um sorriso permanente é um sinal de tolerância, pacifismo e inesgotável paciência diante da perseguição.

O outro,com o cenho cerrado, de um monarca deposto com apenas um objetivo: Voltar à Lhasa ser restaurar seu poder teocrático.
Apoiando-se nas palavras de dalaï-lama transcritas em suas memórias e em seus discursos durante suas viagens ao estrangeiro, Maxime Vivas destaca oportunismo, omissões, truques, mentiras e a recusa do direito de um inventário de um homem e seu Reino.
A História da dominação Tibete reconstruída através de suas publicações e dos relatórios resultantes de estudos de viagens de deputados franceses, desenha um retrato de um país e uma realidade desconhecida. Um retrato além das representações e da agitação performática da midia sobre uma personalidade com discurso duplo.


Longe de fazer apologia dos políticos regionais do governo chinês, Maxime Vivas pretende restaurar a realidade dos factos, históricos e actuais, muitas vezes esmagadas por uma imagem monolítica do dalaï-lama. Em um fundamento para o secularismo, o autor levanta a pergunta o que seria um 'Tibet livre' liderado por um profeta relutante diante da ciência e da liberdade de culto? Em um retrato do Dalai Lama Tenzin Gyatso vitriolic, há uma crítica inédita que revela elementos frequentemente mantidos sob silêncio, os elementos necessários para a compreensão de uma região do mundo que conhecemos muito mal, um Tibete tomado 'no sonho dos outros' (1).

O Reino do XIV Dalai Lama: um sistema feudal

Antes de 1959, a servidão e a escravidão foram realizadas em benefício de uma elite incluindo os monges.
A educação era reservada para eles e analfabetismo afetava 95% da população. A Justiça foi a prerrogativa dos senhores, conselheiros do dalaï-lama e aristocratas, a indisciplina muitas vezes era castigada com tortura. Para evitar sanções, servos eram obrigados a executar algumas tarefas e pagar uma taxa para os senhores, que muitas vezes forçaram a dívidas com os senhores da guerra, os monges e proprietários de terras. O uso da roda para transporte foi proibido, guarda-sóis (usados no resto da China por um século antes da nossa era) ou carros conduzidos por animais. Esta operação feudal, em uso até o início dos anos 1960, levou a uma estagnação da população com menos de um milhão de pessoas, por dois séculos. Entre 1927 e 1952 o número de famílias que fogem para procurar a salvação de Tibet foi, por vezes, mais de 90% em alguns vilarejos.


O isolamento intelectual da região

Se a característica geográfica deste território pode explicar em parte a ignorância de alguns progressos pela população, esta organização social anacrônica parece evocar uma vontade deliberada de petrificar a sociedade para congelar o sistema politico-religioso, benéfico para uma minoria, mantendo as pessoas isoladas de contaminação externa e de qualquer forma de liberdade.
O isolamento intelectual foi defendido pelo líder espiritual por medo de que seu povo desenvolvesse um espírito crítico. Até hoje, de acordo com o dalaï-lama, conhecimentos que possam gerar progresso tecnológico é, necessariamente, sem consciência e, portanto, 'ruína da alma.'
Alguns meses após a fuga do chefe espiritual e temporal, o Comité preparatório da região autônoma do Tibete (2), corpo de trabalho criado pelo governo chinês cancelou as dívidas da população. Educação já está disponível, com conteúdo moderno e expandido para todos os tibetanos. A taxa de analfabetismo está caindo abaixo de 3%. Tibetano é a primeira língua, a língua obrigatória nas escolas, exceto para o ensino superior. Tibete é a única região chinesa que goza de educação primária gratuita com comida grátis e habitação para os alunos. Desde o fim do poder do dalaï-lama XIV, expectativa de vida dobrou de 35 a 70 anos.

SORTIE LE 18 AOUT 2011 – 120 PAGES – 16 €
MAX MILO EDITIONS
15, RUE DE LA BANQUE, 75002 PARIS
TEL : 01 40 40 40 62 - http://www.maxmilo.com
L’auteur : Ecrivain et journaliste web, ex-référent littéraire d’Attac-France, Maxime Vivas (prix Roger Vailland 1997) a publié plusieurs livres (romans, polars, humour, essais), dont en 2007 La Face cachée de Reporters sans frontières, de la CIA aux faucons du Pentagone. Il écrit également pour la presse quotidienne et anime chaque semaine une chronique littéraire sur Radio Mon Païs à Toulouse.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Cachuera! - Velha Guarda Musical do Camisa Verde e Branco: bate-papo e samba



Grupo conversa com o público sobre memórias do carnaval de São Paulo,escola de samba e apresenta seu repertório.(...) Na apresentação também estará presente Tio Mário, sambista com mais de 70 anos de escola.

Onde
Espaço Cachuera!
Rua Monte Alegre, 1.094 - Perdizes . São Paulo

Quando
11/02/12 (sábado)
A partir das 20h (encerramento previsto: 23h)

Ingressos
R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia entrada extensiva a estudantes, professores, músicos, atores, dançarinos, aposentados e acima de 60 anos, mediante comprovação).

- A bilheteria abre com uma hora de antecedência.
- Não aceitamos cartões de débito/crédito.

Mais informações
(11) 3872 8113 . 3875 5563
cachuera@cachuera.org.br

LEIA ESTA DELÍCIA DE POST NO SITE DO CACHUERA!

http://www.cachuera.org.br/cachuerav02/index.php?option=com_content&view=article&id=609:velhaguardamusical&catid=81:destaqueshome&Itemid=117

Vamo nóis!